A CRIAÇÃO DE BOMBERMAN

A CRIAÇÃO DE BOMBERMAN

Conheça a história do homem-bomba mais amado dos videogames!

Até hoje, temos 92 jogos do Hominho da Bomba, então escolhemos os mais icônicos pra mostrar aqui, começando pelo primeiríssimo:

Bakudan Otoko (1983)

O que conhecemos como Bomberman foi lançado em 1983 para alguns computadores japoneses, como o MSX. O nome original do jogo era Bakudan Otoko (“homem-bomba”), e essa versão não chegou a ser muito conhecida, como era comum com vários jogos japoneses, como Final Fantasy II e III, que foram lançados só no Japão. Bakudan Otoko foi lançado na Europa com o nome Eric and the Floaters, Erik e os “flutuadores”, as bombinhas que o personagem deixava.

O jogo foi escrito em 1980 por Yuji Tanaka como um jogo teste para o Computador BASIC, da Hudson Soft, uma empresa de softwares japonesa. A mecânica era bem básica: um jogo de labirinto onde você controla um homem – ainda não era um robô, tanto pelo nome do jogo quanto pela aparência da sprite – que tem que achar a saída do labirinto deixando bombinhas, destruindo paredes e inimigos. O personagem tinha suspensórios de um chapéu reto, como um fazendeiro jogando sementes na plantação.

Bomberman, 1983, MSX.

A música, composta por Jun Chikuma, esse tecladinho maravilhoso, é o principal tema do Bomberman até hoje, e foi criado já para esse primeiro jogo.

Mas não é um consenso que Bakudan Otoko foi o primeiro jogo oficial de Bomberman. Alguns críticos e envolvidos dizem que o jogo japonês é só inspiração pro verdadeiro Bomberman, que foi lançado em 1985. Vamos dar uma olhada?

Bomberman (1985)

Bomberman foi lançado em 1985 para Nintendo Entertainment System, o Nintendinho.

A mesma mecânica, atualizada. Gráficos mais coloridos, o design do personagem mudou para uma roupinha branca com máscara, e os inimigos e efeitos também foram atualizados.

Bomberman, 1985, atualizado para o console NES.

Shinichi Nakamoto, que também trabalhava na Hudson Soft, em 72 horas, usou a base de Bakudan Otoko, adaptou o jogo e portou para o Nintendo, chamando-o de Bomberman, e a Hudson Soft lançou esse port dois anos depois. Além dos gráficos melhorados e da mecânica original, você pode pegar habilidades para aumentar a distância de destruição, ganhar velocidade, entre outros poderes, e ele tinha 50 níveis até terminar o jogo.

Foi lançado para os EUA e Europa em 1987, também com um nome diferente, chamado de Dyna Blaster, já que terrorismo era coisa séria na Europa, então um jogo chamado “Homem-Bomba” não ia pegar muito bem.

Bomberman foi traduzido para Dyna Blaster na Europa, para evitar alusões a terrorismo.

Por ter sido o primeiro Bomberman lançado mundialmente, não apenas no Japão, e o primeiro com o título oficial, ele é considerado o primeiro da série, deixando o Bakudan Otoko como uma prévia, um prequel espiritual.

É a primeira vez que vemos a roupinha do Bomberman que conhecemos, agora como um robozinho branco com uma antena rosa. Mas, bomba: não foi uma ideia original.

O personagem do jogo Lode Runner, de 1983, programado também por Shinichi Nakamoto. Para adaptar Bakudan Otoko para o Nintendo, Nakamoto usou sprites que já tinha programado para Lode Runner, por isso temos o mesmo personagem nos dois jogos. Para fazer referência a esse truque, os produtores decidiram colocar um easter egg na história de Bomberman.

Lode Runner e Bomberman, filhos do mesmo pai.

A história do jogo é que Bomberman era um robô-escravo que trabalhava sem parar, fazendo bombas em um complexo subterrâneo, sonhando com liberdade. Se você conseguisse ajudar o robô-bomba a escapar do labirinto, ele se transformaria em um humano. Quando chega o final do jogo, aparece uma mensagem na tela: “Você ajudou o Bomberman a se tornar um ser humano. Talvez você o reconheça em outro jogo da Hudson Soft”, então eles ligam esse personagem com o de Lode Runner, que também é um jogo de labirinto. A diferença é que Lode Runner foi esquecido pelo tempo, enquanto a franquia Bomberman fez sua fama.

Easter Egg no final de Bomberman, uma referência a Lode Runner.

O jogo adaptado acabou tento muito mais sucesso, e vendeu 1 milhão de cópias, um sucesso que a Hudson nunca tinha visto! Agora, conhecido mundialmente, Bomberman tinha espaço para crescer como série!

Super Bomberman (1993)

Depois do primeiro, tivemos alguns outros Bomberman: Bomberman 2, Bomber King, Bomberman World, Bomberman 93, e também em 1993 o terroristinha chega ao Super Nintendo, com o primeiro Super Bomberman.

Super Bomberman o primeiro a se chamar Bomberman também na Europa, ao invés de Dyna Blaster. Agora temos um novo personagem: o Bomberman Preto, que tinha aparecido em Bomberman II, no NES, como o inimigo principal do jogo, mas que agora seria aliado do Branco.

Super Bomberman, SNES, 1993.

A história é uma loucura: o cientista Dr. Mook tá promovendo um campeonato de Robôs de combate só para roubar as habilidades do Bomberman. Para isso, cria um falso Bomberman para sequestrar o verdadeiro, e o Bomberman Preto vem a seu resgate, se junta ao Branco e os dois devem derrotar o malvado cientista. Como era comum na época, a história vinha mais na embalagem do que no próprio jogo, já que você já começava direto nos cenários.

O Modo Multiplayer de até 4 pessoas em Super Bomberman.

A principal inovação era o multiplayer, você podia jogar com até 3 amiguinhos, e acabar destruindo completamente essas amizades. Como o console só tinha duas entradas, foi um grande crescimento da venda de multitaps, que seriam “torneiras múltiplas”, na tradução literal (“saídas múltiplas”, numa melhor regionalização), adaptadores de 2 controles que eram feitos por outras empresas para o Super Nintendo. Na febre dos multitaps, foi lançado até um multitap do próprio Bomberman, que vinha em uma edição especial do jogo!

Multitap de Bomberman, que permitia a conexão de até 4 controles no SNES.

Super Bomberman recebeu ótimas notas e fez muito sucesso, tento sequências da subsérie – Super Bomberman 2, 3, 4, 5 – mas vamos aumentar uma dimensão, era hora do Bomberman ganhar profundidade e entrar para o mundo 3d!

Bomberman 64 (1997)

Depois de muitos lançamentos e subséries – Super Bomberman, Mega Bomberman, Bomberman Gameboy, Saturn Bomberman – finalmente chegamos ao mundo do 3d. Bomberman 64 é lançado em 1997 para o console Nintendo 64 – um videogame com um processador de 64-bits, uma nova era de tecnologia.

Seguindo o sucesso de Super Mario 64, a Hudson Soft queria um jogo no mesmo estilo. O novo Bomberman seria, então, um jogo de ação e aventura em plataforma, ao invés de arenas e labirintos – algo que fosse Mario do que Bomberman. Agora você pode andar em 8 direções, ao invés de 4, em um ambiente todo em 3d, e até rotacionar a câmera para onde quiser. As bombas também explodem de um jeito diferente, agora com um raio de explosão, uma onda esférica.

A evolução para o 3D em Bomberman 64, de 1997.

Ele foi produzido pelo criador, Shinichi Nakamoto, mas dirigido por Hitoshi Okuno e desenhado por Koji Innami.

Agora a temos uma história que tem mais importância pro jogo, já que temos fases de plataforma pra passar. Piratas espaciais liderados por um robô chamado Artemis atacam planetas, descendo com sua Fortaleza Negra, drenando a energia e transformando cada mundo em uma terra zumbi. Agora, eles querem o Planeta Bomber, onde nosso herói, Bomberman, vive. Para salvar o planeta e todos que nele vivem, Bomberman deve destruir as 4 âncoras que sustentam o escudo defensor da fortaleza e derrotar os invasores.

A Fortaleza Negra, base dos inimigos de Bomberman 64.

Era tão diferente, que não foi tão bem avaliado quando os Super Bombermans. Os críticos elogiaram o novo modo aventura, mas o multiplayer não era tão bem-feito e divertido quanto os anteriores. Nós nos permitimos discordar dos palestrinhas, a opinião do Conta & Joga é de que o multiplayer de Bomberman 64 é divertidíssimo.

O multiplayer de Bomberman 64, criticado pelos críticos, mas elogiado pelos fãs.

Tivemos outros Bomberman em 3d para o Game Cube, o console da Nintendo da geração seguinte à da 64, como Bomberman Generation, de 2002, Bomberman Act Zero, para o Xbox 360, que trazia um robô humanoide, uma mistura de Metroid e Pacific Rim, mas os fãs mais puristas até hoje reclamam que isso não é Bomberman, e que aquela luta vista de cima em arenas ainda é a melhor coisa já feita com esse nome.

Uma evidência de que os mais antigos podem mesmo ser os melhores é que, mesmo com os 92 jogos da série, tivemos 10 milhões de unidades vendidas, 1 milhão só para o Bomberman de NES de 1985, o primeiro Bomberman oficial. Depois dele, nenhum outro fez tanto sucesso.

Além disso, não tivemos um reboot bem-feito mesmo até hoje. Mas quem sabe um dia, né?

E vamos encerrando por aqui nossa viagem pelo Planeta Bomber, já explodimos paredinhas e monstrinhos o suficiente por hoje, não é? E você? Conta para a gente: qual seu Bomberman favorito? Quantas amizades já perdeu no modo batalha?

Nos vemos no próximo Conta & Joga! Até lá, e muito videogame para você!


Esse conteúdo é propriedade do canal Conta & Joga, criado por Mateus Foca e Danilo Fernandes.

Para acessar mais vídeos e um conteúdo exclusivo e inédito toda semana, se inscreva no canal!

Siga o C&J nas redes sociais:

Instagram: @contaejoga

Twitter: @contaejoga

Compartilha aí, Gamer!
0 0 voto
Article Rating
Se inscrever
Notificar de
0 Comentários
Inline FeedbaFeedbacks em linhacks
Ver todos os comentários